MENU
OUVIR

Doenças dos Moluscos

Doenças dos Moluscos e Bivalves

OsHV-1 μvar (Ostreid herpesvirus 1 μvar) em Ostra do Pacífico (Crassostrea gigas)

Na sequência da deteção de aumentos de mortalidade em ostra  do pacífico (Crassostrea gigas), doença emergente diagnosticada em França, que já afetou a Irlanda , Reino Unido, Espanha, Portugal e Itália e das investigações epidemiológicas realizadas na Irlanda e no Reino Unido em 2009, constatou-se que o Ostreid herpesvirus 1 μvar (OsHV-1 μvar), desempenhava um papel primordial nessa mortalidade.

As conclusões da EFSA e os dados epidemiológicos em 2015 sugerem que a propagação do OsHV-1 μνar para zonas indemnes do vírus é passível de provocar o aumento da mortalidade e subsequentemente prejuízos elevados para a indústria de ostras do Pacífico. A temperatura da água (16ºC-24ºC), a salinidade, as condições hidrodinâmicas, a presença de Vibrio aestuarianus, são fatores determinantes nessas mortalidades.

Sendo Portugal um importador de semente proveniente de França, por ser uma produção que interessa proteger e valorizar e dado os consequentes prejuízos económicos inerentes a uma eventual deteção de doença, urge implementar medidas de controlo caso se observem aumentos de mortalidade, de forma a impedir a sua disseminação.
Interessará também controlar as importações de ostras de áreas inicialmente afetadas ou sujeitas a medidas restritivas.

A DGAV executa o Plano de Vigilância para a Pesquisa de OsHV-1 μvar (Ostreid herpesvirus 1 μvar) em Ostra do Pacífico (Crassostrea gigas).

Marteilia refringens e Bonamia ostreae

A  Marteliose e a Bonamiose, são doenças não exóticas de origem parasitária e de notificação obrigatória, constantes na legislação comunitária e na lista das doenças da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), sendo também causas significativas de elevadas mortalidades e consequentes prejuízos económicos. Desta forma, são doenças a incluir numa monitorização cuidadosa.

A DGAV executa o Plano de vigilância de Marteilia refringens na ostra plana- europeia (Ostrea edulis) e no mexilhão-vulgar (Mytilus edulis) e  de Bonamia ostreae na ostra plana- europeia (Ostrea edulis).




© 2021 | Direção-Geral de Alimentação e Veterinária