MENU
OUVIR

Tratamentos hormonais em humanos: tenha cuidado para não expor animais de estimação

Em cães e gatos, o contacto repetido com os substitutos hormonais cutâneos aplicados em humanos do respetivo núcleo familiar pode causar problemas hormonais. Na sequência de relatos de reações adversas em vários países europeus, a DGAV solicita que estes medicamentos sejam aplicados com todas as precauções necessárias para evitar a exposição dos animais.

Têm sido relatadas em vários países europeus reações adversas em cães pequenos, gatos, cachorros e gatinhos após contacto repetido com substitutos hormonais aplicados sobre a pele do seu dono. Estes casos, que envolvem tanto as fêmeas como os machos, estão relacionados geralmente com tratamentos baseados em estrogénio.

Estes medicamentos são aplicados nas coxas, no abdómen ou nos braços de humanos, partes do corpo que são suscetíveis de entrar em contacto direto com o animal.  A exposição também pode ser feita através de lençóis, quando os animais dormem na cama da pessoa em tratamento. Até ao momento, não foram reportados casos em Portugal, mas os casos em outros países europeus chamam a atenção para a necessidade de se estar atento à utilização destes medicamentos.

Problemas hormonais devidos à exposição repetida em animais

Os animais expostos desenvolvem principalmente sinais sugestivos de uma alteração hormonal, tais como inchaço das glândulas mamárias e/ou vulva nas fêmeas, ou queda de pelo. Também foram descritos sinais de retorno ao cio em fêmeas esterilizadas. Além disso, a ação tóxica de estrogénios na medula óssea pode, a longo prazo, causar anomalias no sangue que podem pôr em perigo a vida do animal.  O tempo para o início dos sintomas varia de algumas semanas a vários anos. Os sintomas geralmente diminuem ou até desaparecem depois de parar a exposição às hormonas.

Em caso de inchaço da vulva ou das glândulas mamárias (tanto em fêmeas como em machos), ou no retorno ao cio de um animal esterilizado, é aconselhável levá-lo rapidamente a um clínico veterinário. O médico veterinário deve ser informado de que o tratamento hormonal cutâneo está a decorrer no núcleo familiar ao qual o animal pertence.

Precauções a tomar na aplicação deste tipo de tratamentos

Para evitar qualquer efeito sobre os animais de estimação, devem ser tomadas todas as precauções necessárias na aplicação deste tipo de medicamento para uso humano:

  • lavar as mãos depois de aplicar o gel ou o spray;
  • cobrir as áreas tratadas com vestuário;
  • impedir qualquer lambidela das áreas tratadas;
  • evitar dormir com os animais;
  • em caso de contacto direto do animal com uma área tratada, evitar que ele se lamba e enxaguar com água as partes do corpo que possam ter estado em contacto com o medicamento.

A DGAV recorda que estas precauções de utilização são válidas para todos os medicamentos hormonais humanos que são aplicados na pele. Qualquer evento adverso na sequência da exposição de um animal a um medicamento destinado a seres humanos deve ser comunicado ao Sistema Nacional de Farmacovigilância Veterinária, gerido pela DGAV: farmacovigilancia.vet@dgav.pt


Fonte: Traitements hormonaux humains : attention à ne pas exposer les animaux de compagnie – publicado pela Anses-ANMV (Agence nationale des médicaments vétérinaires) – texto e fotografia gentilmente cedidos pela Anses-ANMV.

18 abril 2022


© 2021 | Direção-Geral de Alimentação e Veterinária